Financiamento para energia solar em condomínios: entenda como funciona

A energia solar em condomínio tem sido uma solução cada vez mais utilizada pelos gestores para fechar as contas do mês e aliviar o caixa. Os benefícios incluem economia, autonomia energética e impacto zero para o ambiente. No artigo de hoje, descubra como ter acesso a um financiamento e, ainda, como calcular o retorno sobre o investimento para a implantação do sistema.

Uma pesquisa realizada no final do primeiro trimestre de 2020 pelo Ibope, a pedido da Abraceel (Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia), apontou que 90% dos brasileiros gostariam de substituir o consumo de energia elétrica por energia solar, eólica ou outra fonte renovável.

Essa tendência se confirma com os dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), apontando que a adesão ao sistema cresceu mais de 212% em 2019, totalizando 110.997 novas instalações.

Com a Geração Compartilhada, introduzida na atualização da Resolução 482/2012, por meio da Resolução 687/2015, da Aneel, a energia solar em condomínios se tornou uma realidade, assim como a utilização de linhas de financiamento para energia solar em condomínio.

Importância da sustentabilidade nos condomínios

O Brasil é o 5º país com mais construções sustentáveis no mundo, segundo o United States Green Building Council (USGBC). O ranking considera 180 países, e é formado a partir da análise de projetos em estágios iniciais até a operação de empreendimentos imobiliários.

O LEED, certificado aprovado pelo USGBC no Brasil, tem contribuído para a redução de consumo de cerca de 40% da água, 35% das emissões de CO², 30% da energia e 65% dos resíduos em novas construções e grandes reformas.

Os certificados fornecem informações sobre o impacto ambiental dos condomínios, tanto na sua construção quanto no seu uso, e analisam desde o uso de água e energia, até a infraestrutura que a edificação possui ou terá para o descarte de lixo.

A sustentabilidade nos condomínios traz vantagens, como a valorização dos imóveis e a economia. O IPTU Verde, por exemplo, é um incentivo fiscal que concede descontos de 5% até a total isenção do imposto para os empreendimentos que adotam boas práticas ambientais.

Por ser um tributo municipal, os descontos e as medidas levadas em consideração variam de acordo com a localidade, mas já está presente na maioria das capitais e em algumas cidades brasileiras, sob diferentes formatos. A energia solar em condomínio é uma das iniciativas apoiadas pelo programa.

Quer entender mais sobre o assunto? Acesse: Conheça o IPTU Verde e outros incentivos econômicos para condomínios sustentáveis.

Como funciona a energia solar?

Como você já deve saber, o sol é uma fonte de energia renovável capaz de suprir todo o consumo elétrico mundial. Existem duas formas distintas de gerar energia elétrica pela luz do sol, através da tecnologia heliotérmica e da tecnologia fotovoltaica.

A mais viável e vantajosa é a tecnologia fotovoltaica, responsável pela conversão direta da luz do sol em energia elétrica, através de módulos fotovoltaicos ou placas solares, e demais equipamentos dos chamados sistemas solares fotovoltaicos.

Um sistema fotovoltaico é composto por um conjunto de equipamentos, que engloba:

  • Painel Solar: é o arranjo das placas solares instaladas e fixadas sobre os telhados, que captam a luz do sol e a convertem em energia elétrica através das suas células fotovoltaicas;
  • Inversor Interativo: este é o principal equipamento de um sistema, responsável por converter e adaptar a energia gerada pelas placas aos padrões da nossa rede elétrica;
  • Estrutura de suporte: são a base para a instalação das placas sobre o telhado, necessárias para a sua correta fixação e posicionamento;
  • String-box: caixa com os dispositivos de segurança para o sistema e que contém a sua chave de liga/desliga.

A forma como o sistema vai gerar a energia elétrica e injetá-la na rede, independente do imóvel, será o mesmo:

  • As placas captam a luz do sol e a convertem em energia elétrica;
  • O inversor recebe essa energia, converte para as características da rede e envia ao quadro de distribuição;
  • A energia é consumida pelos aparelhos ou, caso não tenha consumo, é injetada na rede do poste de luz;
  • Quando o sistema não consegue suprir o consumo, a energia vem do poste normalmente.

A conta de luz apresenta a quantidade de energia consumida e injetada na rede. A energia solar que vai para a rede vira crédito, garantindo mais economia na conta mensal.

Instalação da energia solar em condomínio

A energia solar em condomínio vem se tornando cada vez mais atrativa, tanto pelas novas tecnologias, quanto pelo retorno do investimento. Dessa forma, é totalmente viável considerar um financiamento para a instalação do sistema.

Fazer a instalação do sistema solar em condomínios é simples: empresas especializadas inserem na maioria das vezes placas no telhado dos condomínios e instalam os equipamentos de conversão e distribuição energética.

Nos condomínios, para que a energia solar funcione de forma eficiente, é recomendado que seja instalado um sistema on-grid. Desse modo, é possível estabelecer o nível de incidência solar direta que contribuirá para o bom funcionamento do sistema fotovoltaico.

Antes da implantação do sistema de energia solar em condomínio, é necessário analisar o histórico de consumo de energia elétrica do local e qual área será contemplada com o sistema.

A forma de aprovar a contratação deste sistema de geração e compensação de energia solar em condomínios se dá através de votação em assembleia, pela maioria simples dos condôminos presentes. Por se tratar de uma benfeitoria que pode ser considerada necessária, em função da economia gerada e contribuição ao meio ambiente, a decisão dispensa o quórum mais rígido, conforme conceitua o artigo 1.341 do Código Civil brasileiro.

Financiamento para energia solar em condomínio

Nos últimos anos, o governo brasileiro vem incentivando a implementação da tecnologia, por conta dos aspectos sustentáveis e por representar uma importante alternativa para o sistema de infraestrutura energética do país.  A principal ferramenta para alavancar o uso é o financiamento para energia solar em condomínio, que oferta linhas de crédito exclusivas para a instalação de sistemas de energia fotovoltaica.

Além disso, com a popularização da tecnologia, a queda de custos, o retorno financeiro  e os diversos benefícios proporcionados, muitos bancos também passaram a oferecer a modalidade de financiamento.

O CondoConta oferece uma linha de crédito rápido, fácil e sem burocracia, exclusiva para condomínios. Desta forma, é possível fazer um financiamento para energia solar em condomínio, valorizar o seu imóvel e economizar na conta mensal, sem precisar esperar para arrecadar o dinheiro ou aumentar a cota condominial.

Como calcular o retorno sobre o investimento em energia solar?

O investimento em energia solar pode gerar economia de 50% a 95% nas contas de energia elétrica dos condomínios.

Porém, alguns fatores influenciam no retorno sobre esse investimento como:

  • Tarifa de energia elétrica;
  • Inflação energética;
  • Bandeiras tarifárias;
  • Potência do seu sistema de energia solar.

Para fazer o cálculo, a fórmula é simples:

ROI (%) = Economia gerada no ano (R$) / Investimento inicial (R$) x 100

Considere que o sistema de energia solar em condomínio tenha custado R$ 120 mil e gere uma economia anual de R$ 36.324,00:

ROI = 36.324,00 / 120.000 x 100

Isso significa que o retorno do investimento obtido no ano é de  30,27%. Ou seja, para cada R$ 1,00 investido, o condomínio teve R$ 30,00 de retorno – em apenas 12 meses!

Vale lembrar que o sistema tem uma vida útil de 25 anos, o que garante retorno, economia e valorização patrimonial.

Agora que você já sabe que investir em um sistema de energia solar em condomínio é uma ótima alternativa para reduzir a fatura mensal, valorizar o empreendimento e proteger o meio ambiente, não deixe de levar essa pauta para a próxima assembleia condominial.

Para abrir uma conta no CondoConta, baixe o nosso aplicativo e aproveite! É prático, rápido e super simples!

Gostou deste conteúdo? Para ler mais artigos como este, acesse o nosso blog.

X