Como conciliar a vida pessoal e a rotina do síndico?

É bastante comum, nos dias de hoje, que cada vez mais pessoas passem a assumir mais de uma função em suas vidas. Muitas vezes, o síndico também tem que lidar com a vida profissional e com seu papel dentro da família. Mesmo remunerado, há uma grande carga de responsabilidade na rotina, já que ele precisa garantir o bem-estar de todos e a manutenção do condomínio.

Com o dia a dia atribulado, o síndico pode acabar se envolvendo demais com a rotina do prédio e afetar sua vida pessoal. Entre tantos compromissos, ter tempo com a família ou se dedicar ao lazer pode se tornar menos viável. Ainda mais nos casos em que o síndico também reside no condomínio.

Por isso, é fundamental buscar o equilíbrio entre a vida pessoal e a rotina do síndico. Para te ajudar a organizar a rotina e aprimorar a experiência, conversamos com a empresária e coach, Vanessa Tobias. Siga a leitura e aproveite as dicas! 

Organize uma rotina como síndico

O estresse e o excesso de trabalho podem ser bastante prejudiciais, caso não seja feita a separação entre a vida pessoal e a rotina do síndico. Por isso, vale a pena criar uma rotina, de modo a facilitar os processos.

Segundo Vanessa, quando não separamos as nossas atividades, ficamos muito cansados. Esse cansaço faz com que a gente perca um pouco da diplomacia, da capacidade de diálogo e de planejamento. 

“Garantir que teremos um espaço de trabalho, com horário organizado para receber e responder às demandas ajuda no bom relacionamento e também no autocuidado”, avalia. 

Determine, por exemplo, em quais horários certas tarefas da gestão do condomínio serão realizadas. Acima de tudo, essa organização permite se antecipar e saber o que deve ser feito em cada momento, favorecendo a produtividade.

Não absorva todos os problemas

Um síndico costuma ser conhecido pela habilidade de resolver conflitos. Ainda que essa função seja comum no cargo, é preciso estar atento à forma como você encara possíveis problemas. Nesses momentos, ter equilíbrio emocional é um diferencial para não absorver cada situação como algo pessoal.

No dia a dia, evite manter preocupações externas na cabeça. Acumuladas, elas só vão gerar estresse para você e sua família. Lembre que não é sua obrigação solucionar os problemas dos outros, mas sim, buscar formas de auxiliar os condôminos por meio de um diálogo transparente e imparcial.

Vanessa explica que é necessário lembrar qual é o objetivo do trabalho, entender que existe uma responsabilidade, e que há competências que devem ser colocadas em prática. 

“Muitas vezes, nosso principal erro é misturar nossas carências emocionais, como o nosso desejo de fazer amigos, antes de entregar nossos resultados. Quando lembramos do objetivo pelo qual fomos contratados, ou eleitos, no caso do síndico, não absorvemos os problemas, porque não misturamos as demandas emocionais com as mais práticas”, aconselha.

Não misture assuntos pessoais e profissionais

A vontade de ser uma pessoa exemplar no trabalho e dentro de casa pode até ser grande, mas tome cuidado para não misturar a vida pessoal e a rotina do síndico. O momento compartilhado com a família deve ser aproveitado para o descanso e a interação, e não para resolver problemas de fora.

Ao mesmo tempo, o trabalho como síndico não deve ser influenciado por amizades internas e exigências de familiares. Se puder limitar as conversas e ações aos públicos adequados, você se livra do desgaste excessivo e desfruta de cada momento com mais tranquilidade.

Aprenda a impor limites

Tanto a parte administrativa, como a execução das tarefas do síndico não se esgotam, mas sim o relacionamento com pessoas que não têm limites.

Isso quer dizer que, muitas vezes, os condôminos acabam cometendo abusos, como contato com o síndico em horários impróprios para tratar de assuntos superficiais, exigir ações que não competem ao síndico, tratamento desrespeitoso, ofensas e, em casos extremos, agressão física.

Contudo, o síndico pode e deve impor limites para tornar seu mandato saudável e sustentável. Conforme Vanessa, cada um de nós precisa de um espaço para ser bastante imperfeito. Ter um mentor, um psicólogo, um coach, alguém que oriente o desenvolvimento de habilidades técnicas e comportamentais e nos faça mergulhar nas coisas que a gente ainda não sabe sobre quem a gente é. 

“O nosso sucesso também depende de pedir ajuda. Ajuda para pensar, para se entender, para saber por que temos dificuldade de impor esses limites, para aos poucos ir evoluindo e perceber que dar alguns limites organiza, ajuda no nosso trabalho e na vida pessoal”, aconselha. 

Compartilhe a responsabilidade

Fazer tudo sozinho não é a melhor ideia. Isso traz uma sobrecarga para o síndico, além de baixa participação e contribuição dos condôminos.

Além de contar com apoio dos conselheiros para debater assuntos relevantes e tomar decisões, o síndico também pode sugerir a formação de comissões de condôminos para auxiliá-lo em diferentes assuntos, como obras, decoração, paisagismo, manutenção de áreas, festas etc.

Contudo, é fundamental acompanhar o andamento dessas tarefas.

Aproveite seus momentos de folga e lazer

Estabelecer limites entre a vida pessoal e a rotina do síndico requer maturidade profissional e de vida. O síndico precisa aprender a se desconectar até mesmo para fazer as ideias fluírem.

Para Vanessa, relaxar e aproveitar os momentos de folga e lazer, sem ficar pensando nos problemas do condomínio, significa ampliar a visão para encontrar soluções diferentes das que geralmente temos.

“Conversar sobre outros assuntos faz com que a gente se torne mais criativo, interessante e inovador na hora de lidar com os problemas”, afirma.

Como vimos, com organização e planejamento, dá para ter mais qualidade de vida sem abrir mão da tarefa de gerir o condomínio. E você? Como tem conciliado a vida pessoal e a rotina do síndico? 

Vanessa Tobias é pioneira em processos de Life Coaching em Grupo no Brasil e Mestre em Administração pela ESAG. Possui cursos nacionais e internacionais (Estados Unidos e Austrália) com os principais nomes da sua área. 

Em 2010, Vanessa criou o seu próprio método de desenvolvimento humano, abordando temas na área de Coaching, Justiça Restaurativa – com a aplicação dos círculos de paz, Administração de Empresas, Relações Humanas, Empreendedorismo e Comunicação.

É vencedora e madrinha do Prêmio “Mulheres que fazem a diferença”, da ACIF. Atualmente, é colunista da NSC Total e apresentadora especialista do quadro Quero Saber, do Jornal do Almoço, da NSC TV (Globo regional), metodologista de cursos presenciais e on-line, investidora, fundadora do Instituto Vanessa Tobias – que atende escolas públicas e privadas com metodologias de autoconhecimento e planejamento de vida, super-mãe do João Ricardo e do Valentim, e casada com Ricardo Biazin, que é Analista de Sistemas.

Gostou deste conteúdo? Para ler mais artigos como este, continue navegando no nosso blog.

X